Diga Não ao Estupro

Pessoas que Talvez Você Conheça

Hoje gostaria de falar sobre um poeta e estudante de 22 anos chamado Kevin Kantor.
Há uma grande probabilidade de você já ter ouvido falar dele nos últimos dias, mas acho que ele merece um post dedicado a ele e ao seu trabalho aqui no meu blog.
O Kevin é um cara como outro qualquer, mas carrega um peso nas costas que muitos tem a sorte de não ter que carregar.

Kevin

Quando Kevin tinha 20 anos ele foi estuprado. (Sim, ele foi estuprado, engana-se, completamente, quem pensa que apenas as mulheres sofrem estupros). Mais tarde, enquanto estava se recuperando no hospital, conversou com dois policiais e estes o perguntaram se ele tinha sofrido um assalto, sido agredido, ou sido estuprado. Naquele momento Kevin nao soube responder a essa pergunta e os policiais disseram que se ele não ajudasse, eles não poderiam fazer nada. Como se não bastasse ser tratado dessa maneira por pessoas cujo trabalho deveria ser de o proteger, ainda lhe disseram que ele poderia ter lutado contra o estuprador. Seu irmão, Adam, fez a mesma pergunta.

Os dias foram passando… estes se transformaram em meses, anos. E mesmo com toda a dificuldade de lidar com uma situação como esta, o Kevin estava sobrevivendo da melhor maneira possível. Até que algo surpreendente aconteceu. Certo dia ele estava em um festival de poesia e decidiu acessar o Facebook. Sabe aquela seção chamada “Pessoas que Você Talvez Conheça”? Então, naquela seção, lá estava ele, o homem que o estuprou.

Este evento o inspirou a escrever um poema intitulado “People You May Know” – “Pessoas que Você Talvez Conheça”.

Em Março, Kevin apresentou seu poema para milhares de pessoas e o vídeo foi parar na internet.

Kevin Kantor

Ao assistir o vídeo, não pude conter minha emoção. Não apenas pelas palavras terem sido usadas de uma forma tão bela , mas também pela interpretação BRILHANTE que Kevin deu.

Sabe, eu não curto poesias, mas, após assistir a performance de Kevin, virei fã, tanto que já assisti várias outras performances disponibilizadas pelo canal Button Poetry do Youtube.

Não consigo nem imaginar passar por uma situação semelhante à dele. Conviver com as cicatrizes, permanentes, que isso lhe causou e ainda descobrir que você pode conhecer o seu próprio estuprador.

Gostaria muito que você tirasse alguns minutos do seu tempo e assistisse o vídeo abaixo. É em inglês e não tem legendas, mas irei colocar abaixo a tradução da poesia do Kevin. De qualquer maneira, vale a pena assistir também pela interpretação poderosa dele.

People You May Know

When my rapist showed up under the ‘People You May Know’ tab on Facebook, It felt like the closest to a crime scene I’ve ever been.
That is.. If I don’t count the clockwork murder that I make of my own memory every time I drive down Colfax Avenue
Still I sit in my living room and I sift for clues
Click
I see myself caught in his teeth
He is dancing with his shirt off in a city that I’ve never been to
Click
He’s eating sushi over a few beers with friends
And I Am under his fingernails
Click I know that alley
Click
I killed the memory of that t-shirt
Click
This is an old photograph
It’s a baby picture
There is also an older man – presumably his father
They are both round, and bright, and still Smiling
Click
He is shirtless again
And I catch my reflection in the weight room mirror
Hashtag #BeastModeSelfie
I call him the Wolf When I write about him:
The Wolf So as to make him as storybook as possible
The Wolf When I write about him
Which is to say, when my memory escapes the murder
Or When the internet suggests it
Facebook informs me that we have 3 mutual friends
Which is to say that
He is People You May Know Which is to say I am People You May Know
And there are people that know
And people that don’t know
And people that don’t know I want to know I’m afraid to let know
And probably people that know him that know of me that know
The word No
No
NO
No was flock of sleeping sheep sitting in my mouth
And now I know the wolf’s middle name
And what he listens to on Spotify
And the all too familiar company he keeps
and He can no longer be a wolf
Or the nameless grave I dig for myself on bad days
We have 3 mutual friends on Facebook and now it feels as if they are holding the shovel
64 people ‘liked’ the shirtless gym pic and
4 people have told me they’d rather I said nothing
2 police officers told me that I must give his act a name or
It didn’t happen
That obviously
I Could have fought back Which is to say
No one comes running for young boys
who cry rape
When I told my brother
He also asked me why I
Didn’t fight back Adam, I am
Right now I promise
Every day I write a poem titled ‘Tomorrow’
It is a handwritten list of
The people I know
That love me
And
I Make sure to put my own name at the top

Pessoas que Talvez Você Conheça

Quando meu estuprador apareceu na lista de “Pessoas que talvez você conheça” no Facebook, isso pareceu o mais próximo de uma cena de crime que já estive.
É claro, se você não contar os repetidos assassinatos que eu cometo da minha própria memória todas as vezes que eu passo pela Avenida Colfax.
Ainda, eu sento na minha sala e procuro por pistas.
Clique.
Eu me vejo preso em seus dentes
Ele está dançando sem camisa em uma cidade que eu nunca estive
Clique.
Ele está comendo sushi e bebendo com seus amigos.
E eu estou sob suas unhas
Clique, eu conheço aquele beco
Clique
Eu matei a memória daquela camiseta
Clique
Esta é uma foto antiga
É uma foto de um bebê
Com um homem mais velho – provavelmente seu pai
Eles são brilhantes e ainda estão sorrindo
Clique
Ele está sem camisa de novo
E eu vejo meu reflexo no espelho da academia
Hashtag #SelfieModoAnimal
Eu o chamo de lobo quando escrevo sobre ele
O lobo, para fazer dele o mais caricato possivel
O lobo Quando escrevo sobre ele
ou melhor, quando minha memória escapa o assassinato Ou quando a internet sugere
Facebook informa que nós temos 3 amigos em comum. O que quer dizer que ele é alguém que talvez você conheça, o que quer dizer que eu sou alguém que talvez você conheça
E há pessoas que sabem
E pessoas que nao sabem
E pessoas que nao sabem mas que eu quero que saibam mas tenho medo que saibam
E provavelmente pessoas que conhecem ele e que me conhecem que sabem
A palavra não
Não
NÃO
Não era um rebanho de ovelhas na minha boca
E agora eu sei o nome do meio do lobo
E o que ele escuta no Spotify
E as pessoas familiares que fazem companhia a ele
E ele não pode mais ser um lobo
Ou o túmulo sem nome que eu cavo para mim em dias ruins. Nós temos 3 amigos em comum no Facebook e agora parece que eles que estão segurando a pá
64 pessoas “curtiram” a foto dele sem camisa na academia e 4 pessoas disseram que preferiam que eu não tivesse falado nada. 2 policiais me disseram que eu deveria dar nome ao que ele fez, senão
não havia acontecido
Que obviamente
Eu poderia ter lutado, o que quer dizer que
Ninguém vem correndo por meninos que são
abusados
Quando eu contei para meu irmão
Ele também me perguntou porque eu
Nao lutei, Adam, eu estou
Agora, eu prometo
Todos os dias eu escrevo um poema chamado “Amanha”. É uma lista escrita à mão das
Pessoas que eu conheço
que me amam
E eu me certifico de
colocar meu próprio nome no topo.

E você, o que achou do poema do Kevin? Gosta de poesia de uma maneira geral? Já passou por alguma situação parecida?
Me conta! 🙂
Um beijo!

Compartilhe!